Terça-feira, 11 de Janeiro de 2005

Histórias

O Aquiles propõe algo interessante.
Participem meus caros amigos.

testbag.gif

...Que, espero, se torne num best-seller.

Meus amigos, a proposta é a seguinte. Eu inicío aquilo que espero se possa vir a considerar uma história, um conto, um romance ou apenas a benigna intenção de nisso se tornar. Identifico com um número o meu trecho (neste caso o nº 1) e os meus amigos co-bloguistas, se assim o entenderem, aportam o vosso contributo ao referido excerto identificando com o número seguinte (neste caso o nº2) o vosso texto. Possivelmente haverá situações de duplicação de temas de continuidade, mas não faz mal. Antes abundância que míngua. Então aqui vai...

"Uma História Banal...01

Matilde era uma rapariga vulgar. Tinha 21 anos de idade, uma educação decente, pertencia à classe média, estudava numa universidade pública, numa cidade média, Coimbra. Tinha acabado de chegar ao meio académico que a recebia com relativa indiferença. A aldeia de onde viera sucumbia ao êxodo das suas gentes em busca de melhores oportunidades de vida. Ela nunca se identificara com as maneiras, com os costumes dos conterrâneos. Faltava-lhe algo mais e esse algo poderia ser conseguido com a "fuga" para a cidade."

P.S.: Sugiro não mais de 4-5 linhas para não se tornar demasiado cansativo.

Aquiles
publicado por Zeus às 09:37
link do post | comentar | favorito
|
16 comentários:
De Anónimo a 18 de Janeiro de 2005 às 10:33
No entanto após ter atingido o objectivo de tirar a Licenciatura, a sua vida atingiu um enorme vazio. Os dias eram todos iguais sem qualquer tipo de sabor, andava a maré do que os que estavam em sem redor pretendiam e não o que ela realmente queria.
Não consegui suportar mais esta situação e decidiu por fim a essa vida monótona e sem sentido. Então….
helena
</a>
(mailto:pgticha@sapo.pt)


De Anónimo a 17 de Janeiro de 2005 às 00:20
bem pensadoO Engenheiro
(http://o-engenheiro.pt.vu)
(mailto:nuno_almeida@netvisao.pt)


De Anónimo a 16 de Janeiro de 2005 às 16:42
oix... adorei o teu blog... mt original msm, meus parabens, continua assim pk vou visitart mais vezes prometo! é k curti mesmo o blog... passa no meu e comenta tb bjinhox
http://paulinhapvz.blogs.sapo.ptpaulinha
</a>
(mailto:la@sapo.pt)


De Anónimo a 13 de Janeiro de 2005 às 20:26
Um dia, porém, Matilde entendeu que a sua vinda para Coimbra tinha de ter um propósito qualquer...
Dedicou-se aos estudos o melhor que sabia. As saudades da terra e das gente, por vezes, faziam-na atravessar momentos de melancolia. mas tudo superava. Queria poder ser útil...e desistir...jamais!Ano após ano a mesma perseverança...até que um dia...sim um dia tinha o seu certificado de habilitações. 18 valores...na licenciatura em Matemática!blueshell
(http://blueshell.blogspot.com)
(mailto:sengelo@mail.pt)


De Anónimo a 13 de Janeiro de 2005 às 10:15
tenho vindo aqui varias vezes e não tenho jeito nenhum para isto. escrevo cronicas factuais. sou pessima na ficçãotrintapermanente
(http://malmenos.blogspot.com/)
(mailto:ola1970@sapo.pt)


De Anónimo a 13 de Janeiro de 2005 às 10:05
Matilde, era ambiciosa, quando chegou a Coimbra, deparou-se com um novo Universo, afinal o ambiente académico muda a personalidade de qualquer um...cresceu, divertiu-se, fez grandes amizades, mas Coimbra não é cidade para alguém como Matilde, ela queria mais...uma cidade mais cosmopolita!!Borboleta
(http://devaneiosconstantes.blogs.sapo.pt)
(mailto:devaneiosconstantes@sapo.pt)


De Anónimo a 12 de Janeiro de 2005 às 17:26
A cidade, mais propriamente a capital, é um espaço de equivocos que a muitos conforta dada as suas dúvidas e inseguranças existenciais, Matilde era a outra palavra para a dúvida. Estranhamente era das mulheres mais seguras que o mundo conhecera, de tão consciente da sua alma selvagem inspirava desconforto nas maiorias, quer politicas quer sociais...João Maria
(http://apenasoamor.blogs.sapo.pt)
(mailto:joaomaria1@sapo.pt)


De Anónimo a 12 de Janeiro de 2005 às 17:26
A cidade, mais propriamente a capital, é um espaço de equivocos que a muitos conforta dada as suas dúvidas e inseguranças existenciais, Matilde era a outra palavra para a dúvida. Estranhamente era das mulheres mais seguras que o mundo conhecera, de tão consciente da sua alma selvagem inspirava desconforto nas maiorias, quer politicas quer sociais...João Maria
(http://apenasoamor.blogs.sapo.pt)
(mailto:joaomaria1@sapo.pt)


De Anónimo a 12 de Janeiro de 2005 às 17:25
A cidade, mais propriamente a capital, é um espaço de equivocos que a muitos conforta dada as suas dúvidas e inseguranças existencias, Matilde era a outra palavra para a dúvida. Estranhamente era das mulheres mais seguras que o mundo conhecera, de tão consciente da sua alma selvagem inspirava desconforto nas maiorias, quer politicas quer sociais...João Maria
(http://apenasoamor.blogs.sapo.pt)
(mailto:joaomaria1@sapo.pt)


De Anónimo a 12 de Janeiro de 2005 às 10:28
Matilde apesar de não possuir uma beleza estonteante é uma rapariga bastante interessante, embora a sua timidez e a sua forma de vestir, não o permita revelar. Desde de pequena que andava candidamente nua pelo seu quarto, habituando-se a observar o seu corpo. O prazer que tinha ao observar-se era tão grande que por vezes se transformava em prazer físico...Afrodite
</a>
(mailto:)


Comentar post