Sexta-feira, 17 de Setembro de 2004

Ilustres desconhecidos

O fazm1blog (aquela personagem irreverente que por vezes intervém com seus nobres comentários) enviou-me novamente um desafio. A foto que se segue.
Prosa requerida, aqui vai:


stillP03.jpg


Passam por nós (deuses e mortais) todos os dias.
Do rasto da sua passagem apenas uma ligeira memória, ou por vezes um perfume doce e delicado, em alguns casos algo mais forte, uma recordação por ventura.
São os ilustres desconhecidos.
Raramente um desconhecido (os de passagem) se torna conhecido. Muitas vezes um dos intervenientes até que gostaria de ultrapassar o estado de desconhecimento. Mas por definição um desconhecido não passa a conhecido. A menos que o desconhecido passe muitas vezes pelo mesmo mortal. Nesse caso, um olá, ou, viva, já reduz um pouco a barreira do desconhecimento. Mas não deixa de estar no lado de lá.
Tudo seria muito mais simples, se os mortais tomassem a iniciativa de se conhecerem uns aos outros. –Olhe, apetece-me conhece-lo, como está?
Como é obvio não falo dos desconhecidos que passam a conhecidos por motivo de “engate” ou coisa do género (daqueles, que se fazem na discoteca, por uma noite ou coisa que o valha), esses encaixam-se dentro de outra categoria.
É preciso não esquecer que é a procura do conhecimento, que motiva a evolução da raça humana.



omne ignoto pro magnifico
(Tudo que é desconhecido é tido por magnífico)


Bons “conhecimentos” para todos vós, e um óptimo fim de semana
publicado por Zeus às 10:56
link do post | comentar | favorito
|
17 comentários:
De Anónimo a 20 de Setembro de 2004 às 17:11
"COnchita" - Arrifanafazm1blog
</a>
(mailto:fazm1blog@mail.pt)


De Anónimo a 20 de Setembro de 2004 às 10:09
É dificil passar de desconhecido a conhecido sem a desconfiança de algo mais encapotado :)trintapermanente
(http://equilibrioinstavel.blogspot.com)
(mailto:ola1970@sapo.pt)


De Anónimo a 19 de Setembro de 2004 às 21:01
Olá Zeus. Tu, que tudo sabes, que tudo ordenas, que tudo orientas, lá do teu trono no Olimpos, tens à tua frente esta humilde mortal que reconhecidamente te vem saudar pela parte pequenina do "ilustre" que me atribuis. Interessante o teu texto. Humildes bjos terrenos amita
(http://brancoepreto.blogs.sapo.pt)
(mailto:amitaf324@hotmail.com)


De Anónimo a 19 de Setembro de 2004 às 12:44
:)O Engenheiro
(http://engenheiro.artedoengenho.net)
(mailto:nuno_almeida@netvisao.pt)


De Anónimo a 19 de Setembro de 2004 às 12:43
Sabe bem recostar e ver os teus conhecimentos.Pecola
(http://pecola.artedoengenho.net)
(mailto:pecola@netcabo.pt)


De Anónimo a 18 de Setembro de 2004 às 22:30
Foto bonita. Foi no Meco?COnchita
(http://diariodeconchita.blogspot.com)
(mailto:conchita_marquez@aeiou.pt)


De Anónimo a 18 de Setembro de 2004 às 14:10
O que conheço eu, se não aquilo que a minha imaginação julga conhecer ? e se não me apetece conhecer mais é porque já nada mais há para imaginar...lina
</a>
(mailto:)


De Anónimo a 18 de Setembro de 2004 às 13:28
Ahaha...esta fez-me lembrar uma história muito engraçada que não vou relatar mas, também já me estou a imaginar a abordar os desconhecidos na rua...ia ser muito interessante!;) Beijos e bom fds.MWoman
(http://devaneio.blogs.sapo.pt/)
(mailto:siilvam@hotmail.com)


De Anónimo a 18 de Setembro de 2004 às 11:39
tenho que concordar contigo tudo o que é desconhecido é sempre belo
tyem um bom fim de semana
fica bempatinhas
(http://aliberdadedeescrita.blogs.sapo.pt/)
(mailto:prcpf@latinmail.com)


De Anónimo a 17 de Setembro de 2004 às 19:39
a fronteira entre conhecidos e desconhecidos é às vezes tão ténue... beijinhossonia
(http://horasnegras.blogspot.com)
(mailto:soniadealmeida@sapo.pt)


Comentar post