Terça-feira, 24 de Janeiro de 2006

Renascer

nelogo.bmp


Durante anos
construí aquilo que sou,
feito de derrotas e vitórias,
amores e ódios,
prazer e mágoa.

De tudo vivi um pouco
colhendo sempre aquilo que resta:
de esperanças soltas,
de vida vivida,
de forças renovadas
e de sonhos...
que nunca deixarão de ser sonhos.

E que no fundo
serão sempre tudo o que resta
dum passado que é presente
transformado em futuro
que já é e deixa de ser...

Reencarnando um novo ser
que pode e sabe
com a certeza daquilo que quer,
daquilo que pode esperar,
daquilo que sente...

Sofrendo esse pedaço de mim
que nunca deixará de ser.


Appetit finis ubi incrementa consumpta sunt
(O fim se aproxima, quando o crescimento se consuma)


Celebremos então, Aquilo que Somos
publicado por Zeus às 10:37
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De Anónimo a 25 de Janeiro de 2006 às 16:35
O deus grego entregou-se à poesia, renasceu. Abraço. Olha, gostava é que me desses a receita para teres tantas gajas a comentar o teu blog.intenso
(http://www.intenso.com)
(mailto:)


De Anónimo a 25 de Janeiro de 2006 às 14:38
Profundo e esclarecedor das virtudes e defeitos dos mortais. Como sempre nos habituaste. BeijinhosMenina Gil
(http://www.meninagil.blogs.sapo.pt)
(mailto:)


De Anónimo a 25 de Janeiro de 2006 às 12:42
Eu sofro por razões diferentes das tuas :(
beijosBetty
(http://desfolhada.blogspot.com)
(mailto:ferreiraelisabete@hotmail.com)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 15:44
Zeus, será que esse teu olimpo não está a ficar um pouco terreno demais, sofrendo assim, em cada renascer? Se me enganei, desculpa. É que nestas coisas de deuses, nunca se sabe!...Perola
(http://reencontro.blogs.sapo.pt)
(mailto:tsciza@sapo.pt)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 14:56
Senhor do Olimpo este poema é belo mas deixa-nos que como um travo amargo de saudade da conquista. "...Ausente, pues en ti siempre yo estoy./
No busques lo que tienes encontrado./
Mañana me veras sendo el que soy;/
y soy quien buye para ser amado."
(Virgilio Piñera) Beijo
Maria Papoila
(http://apapoila.blogs.sapo.pt)
(mailto:mantosilva@sapo.pt)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 14:37
Em excelente poema...polittikus
(http://pornograffit.blogspot.com)
(mailto:polittikus@hotmail.com)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 12:11
Muito engraçado este renascer. Na generalidade gostei dos teus artigos. Parabéns.Lúcia
</a>
(mailto:lucia@sapo.pt)


De Murasaki a 5 de Abril de 2006 às 20:42
Maktub....
Está escrito, dizem uns que serás aquilo que está predistinado...
Será verdade?


De shenah a 17 de Março de 2008 às 16:03
SONHO DE UMA MÃO

Se apenas esta mão esticasse


Nela levaria o mundo


Em que vivo


A quem me dou


Por tudo aquilo que sou


E que abrigo


Neste espírito frio,


Mas onde crio a esperança


De que tudo se alcança.


Carregaria o sonho


Que hoje tenho e sussurra mudo pela vida,


Por uma visão real


Que leva a ser


Mais que um ideal,


que me faça viver


Mais um momento.


Abarcaria o desejo


Nesta minha mão,


Transpondo a mística


De uma enorme ilusão


De uma realidade utópica

http://shenahplace.blogspot.com/



De jueguitos a 14 de Julho de 2008 às 02:13
.


Comentar post